segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Querido Diário

Querido Diário*,




Hoje eu acordei cedo como em toda segunda-feira, comecei devagar, mas à medida que as horas foram passando, percebi que se continuasse com aquele ritmo slow certamente iria me atrasar. Desci trezentos zilhões menos 99% disso de escadas e ganhei as ruas. Dessa vez não tive vontade de colocar meus companheiros fones de ouvido, pois já sabia que a viagem que eu faria seria regada a um belo cochilo. Não sem antes ver rostos conhecidos, ensaiar um sorriso - por sono, não por falta de vontade - e dar ligeiros acenos. 

O dia tava mais parado do que a coisa mais parada do mundo. Uma interdição de pista foi o fato mais interessante que eu vi até agora. Queria tirar foto daquela enorme cratera na rua - não era a primeira vez que eu via uma cratera dessas naquela região - mas cadê a máquina? Ela nunca está presente quando estou com 300% de vontade de tirar fotos. Whatever... semana passada parei na rua e tentando me equilibrar com sacolas, guarda-chuva e bolsa, consegui tirar a câmera da minha tiracolo e registrar mais um rio em plena cidade.

Continuo com sono. Mas é tão estranho. Quando durmo tarde, acordo cansada. Quando durmo mais cedo, acordo mais cansada do que quando durmo tarde. Alguém tem alguma explicação para isso? Gostaria de entender, please. E perdoe-me pelo texto em duas línguas, é que são as que gosto - a natal e a que eu gostaria de saber fluentemente, mas estou em nível intermediário no momento.

Ao meu redor, vejo um bocado de coisas sem sentido. Olho para minha vida e tento achar sentidos também. Sentido! Olfato - o meu não é muito bom -, audição - às vezes escuto coisas que não deveria escutar e vice-versa -, tato - sinto as teclas nas pontas dos dedos no momento -, visão - tem coisas que eu preferia nem ver, mas... -, paladar - vontade de comer um tablet, ops, tablete de chocolate agora!

O dia está só na metade e ainda tem muito mais coisas a fazer. Por isso, querido diário, não se assuste se eu voltar outra vez aqui para contar uma supernovidade ou algo de muito interessante que aconteceu comigo até às 0 horas dia seguinte. Ok, vai sonhando, do jeito que as coisas andam só amanhã...

*Na minha infância e início da adolescência, eu tinha o hábito de escrever diariamente em diários. Eu os tenho guardados até hoje. Tantas lembranças - leia-se: como eu era bobinha!

2 comentários:

Mia Dailan disse...

Lidi!!!
saudades!!!

concordo com com vc
quando acordo cedo acordo mto mais cansada ou nem acordo na hora certa!
terrivel!!

meus parabens pelo blog
altissimo nivel.

Lidiane Ferreira disse...

Oi, Mai! Saudades tb!
Isso é um problema sério rsrs, queria resolver de alguma forma, mas...
Obrigada pelas visitas e comentários!
Beijos!